Já pensou dar match com um político que tenha uma plataforma que corresponda com seus pontos de vista?

Todo mundo aqui conhece o Tinder, certo? Certo. Nem que tenha criado um perfil mesmo enquanto estava namorando só pra dar uma olhadinha, você já teve. Partindo dessa premissa, todos nós sabemos bem como ele funciona: deslize pra direita se sim e pra esquerda, se não.

Pausa para contextualizar

A corrida presidencial nos Estados Unidos está a todo vapor e vocês já devem ter acompanhado um pouco do que está rolando por lá. As primárias ainda estão acontecendo e os candidatos estão defendendo suas plataformas, tentando convencer eleitores a apoiá-los.

Diante deste cenário, o Tinder, desenvolveu uma ferramenta para conectar pessoas aos candidatos depois que alguns fãs de Bernie Sanders começaram a utilizar o aplicativo para fazer campanha política. Em parceria com Rock the Vote, organização sem fins lucrativos e apartidária que tem como objetivo levar os jovens às urnas, e Wedgies, plataforma real-time de apuração, um recurso chamado “Swipe to Vote” foi desenvolvido para os EUA. Enquanto estiver procurando um encontro, um cartão sobre as eleições aparece e permite que o usuário responda 10 perguntas para encontrar o seu match político. <3

tinder 1

Perguntas como “Legalizar o casamento gay?”, “Aumentar o financiamento para a educação?”, “Proteger o direito de escolha das mulheres?”, “Abolir a pena de morte?”, “Legalizar a maconha”, entre outras, devem ser respondidas seguindo o já conhecido deslize para a direita, se sim, ou para a esquerda, se não.

tinder_2

Além disso, é possível obter mais informações sobre a questão ao clicar na pergunta. Ao final das respostas, o Tinder dá o match com o candidato que melhor corresponda aos pontos de vista do usuário. O aplicativo também permite comparar os candidatos e suas respectivas plataformas políticas.

tinder_3

Segundo o próprio Tinder, o objetivo é aumentar o engajamento político entre os jovens americanos e ajudá-los a aprender mais sobre questões importantes para o país.

Interessante observar como o aplicativo enxergou o que estava acontecendo dentro de sua plataforma como uma oportunidade para criar uma nova forma de conectar as pessoas. Em entrevista ao Buzzfeed, Sean Rad, CEO do Tinder, explicou que “esta não é uma estratégia, mas eu acho que vocês verão maneiras diferentes que estamos usando o Tinder para desencadear novos tipos de relações”.

Me dá um orgulhinho -owwwwn- quando vejo que as plataformas e aplicativos estão se movimentando para acompanhar as mudanças de comportamento dos usuários. Quem disse que não dá pra discutir política no Tinder? A ideia é tão incrível quanto inusitada. E, segundo dados da própria ferramenta, funciona. Ousadia e alegria.