Inspirado nas belezas naturais e arquitetônicas do Rio de Janeiro, na Pedra da Gávea e nas curvas da Praia de Copacabana, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 apresentou oficialmente na manhã desta quinta-feira os pictogramas oficiais da competição. O trabalho durou 16 meses, envolveu 28 profissionais da área de design e estudou com profundidade o movimento dos atletas e a ginga do brasileiro. O resultado contempla pela primeira vez o paradesporto, somando no total 64 pictogramas, sendo 41 olímpicas e 23 paralímpicas, que usaram como fontes as letras da logomarca dos Jogos de 2016.

O processo durou 16 meses e envolveu todas as federações internacionais, vários setores do Comitê Rio 2016, do COI e do Comitê Paralímpico Internacional. Nenhum produto tem tantas aplicações visuais como os Jogos. Formamos um time de 28 profissionais jovens e experientes do Pan de 2007. Queremos deixar um legado para o design brasileiro. Os esportes e o Rio serviram de inspiração. Suas curvas, a natureza exuberante, os movimentos dos atletas e a ginga do brasileiro e do carioca. Pictograma significa letra pintada e usamos as fontes do Rio 2016. O R lembra a Pedra da Gávea, as curvas das letras a praia de Copacabana – explicou Beth Lula, responsável pelo projeto e gerente de marca do Comitê.

Os 41 pictogramas dos esportes olímpicos de 2016 (Foto: arte esporte)
Os 41 pictogramas dos esportes olímpicos de 2016 (Foto: arte esporte)

 

Outros 23 pictogramas dos esportes paralímpicos foram feitos pela primeira vez (Foto: arte esporte)
Outros 23 pictogramas dos esportes paralímpicos foram feitos pela primeira vez (Foto: arte esporte)

Nos pictogramas olímpicos, o do basquete exibe um atleta voando para a enterrada. A do judô mostra o momento do ippon. Na luta olímpica, que volta ao programa olímpico, os lutadores duelam pelo controle do combate. Os pictogramas tem um fundo azul, escolha do Comitê brasileiro, e são feitos em formato vagamente triangular, lembrando muito uma palheta de violão.

Os pictogramas dos esportes paralímpicos chamam a atenção pelos detalhes. No atletismo, o desenho mostra as próteses usadas por corredores como Alan Fonteles. No basquete, bocha, esgrima, rugby em cadeira de rodas, tênis de mesa, tênis, tiro com arco e tiro esportivo, a cadeira de rodas é exibida. No futebol de cinco, a venda usada pelos deficientes visuais também é destacada.

A apresentação oficial dos pictogramas olímpicos dos Jogos do Rio 2016 (Foto: Thierry Gozzer)
A apresentação oficial dos pictogramas olímpicos dos Jogos do Rio 2016 (Foto: Thierry Gozzer)

A iniciativa de criar pictogramas também para as Paralimpíadas foi pioneira. Segundo Beth Lula, a intenção foi mostrar a leveza dos movimentos dos atletas do paradesporto.

– Foi uma forma leve e lúdica de representar os esportes e criar uma identidade imediata.  Procuramos representar os pictogramas paralímpicos da mesma forma natural que os atletas convivem com suas deficiências.

Mestre de cerimônias, o ator da TV Globo Otaviano Costa foi o responsável por conduzir a apresentação dos pictogramas. Antes de serem mostrados ao público, foi apresentado um vídeo mostrando o processo criativo dos 64 pictos. Depois, crianças de um projeto social desfilaram com os desenhos dos pictogramas e os levaram até uma parede, onde foram depositados.

 

História

Os pictos são símbolos que identificam cada modalidade que será disputada nos eventos. O primeiro conjunto de pictogramas surgiu em 1948, nos Jogos de Londres, mas não eram parecidos com os de hoje. Em 1964, em Tóquio, no Japão, pela primeira vez um conjunto de pictogramas foi apresentado, não apenas para identificar os esportes, mas também para alertar sobre instalações e serviços. Em Munique 1972, eles receberam as primeiras cores e traços marcantes. Os pictogramas de Londres 2012 teve dois formatos distintos, com a forma de silhueta e também inspiradas nas linhas de metrô da cidade.

Vi no Globo.com

 

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNasce um novo consumidor: a geração Alpha
Próximo artigoSobre referências
É publicitário, goiano e corinthiano. Desde pequeno apaixonado por marcas e cores, descobriu que queria ser publicitário no ensino médio e nunca mais parou. Já passou por várias agências e empresas de mídia de Goiânia e criou o Publicitantes com o intuito de promover uma troca de experiências entre o mercado goiano e mundial.